MP 561 altera prazo para regularização de contratos de saneamento básico


Para viabilizar obras de saneamento básico no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Medida Provisória 561/12 permite o seu financiamento mesmo quando não houver contrato regularizado entre os municípios e as companhias de saneamento dos estados.

A MP fixa 31 de dezembro de 2016 como nova data limite para essa regularização. O prazo anterior, estipulado pela Lei Nacional do Saneamento Básico (11.445/07), acabou em 31 de dezembro de 2010.

Entretanto, para as obras poderem receber recursos do PAC até 2016, estados e municípios nessa situação deverão celebrar um convênio de cooperação com um cronograma de cumprimento das condições da Lei do Saneamento. Aqueles que já tiverem assinado o acordo antes da edição da MP terão de apresentar o cronograma ao governo federal.

A lei exige, por exemplo, um plano municipal de saneamento básico, a existência de entidade de regulação e fiscalização dos serviços e leis autorizativas para os contratos sem licitação com as empresas estaduais.

O relator atribuiu aos governadores responsabilidade solidária em relação aos municípios que não assinarem os convênios na data estipulada.

Novela antiga

Desde 1995, com a Lei de Concessões de Serviços Públicos (8.987/95), as concessões públicas (como o saneamento básico) deveriam ser regularizadas por meio de licitações. Isso poderia ocorrer a partir de 1997, inclusive para as concessões precárias (sem contrato ou contrato por tempo indeterminado).

Dez anos após a lei, muitas concessões ainda eram precárias. O Judiciário, no entanto, passou a exigir o cumprimento da lei, anulando atos de prorrogação ou permitindo a retomada dos serviços sem o pagamento de indenização.

Com a lei do saneamento, o prazo foi fixado em dezembro de 2010, mas, até o momento, diversas cidades não regularizaram a situação contratual e as condições estipuladas na lei. O saneamento básico é atribuição dos municípios.

Nas regiões metropolitanas, o problema se tornou maior devido à expectativa das empresas quanto ao julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), de ações diretas de inconstitucionalidade que questionam se a titularidade dos serviços cabe ao município ou ao estado. O STF ainda não julgou as ações.

O governo argumenta que a falta de previsão legal sobre a conduta a ser tomada traz consequências aos empreendimentos do PAC, por isso considera necessária a prorrogação do prazo.

No total, a irregularidade na legalização do serviço abrange 211 municípios na região Norte, 687 no Nordeste, 147 no Centro-Oeste, 475 no Sudeste e 537 no Sul do País, um total de 2.057 municípios, onde residem cerca de 30 milhões de habitantes.

Estão nessa situação Salvador (BA), Florianópolis (SC) e várias cidades de porte grande, como Santos (SP), Santarém (PA), São João de Meriti (RJ), Macaé (RJ) e São José dos Pinhais (PR), entre outras.

Fonte: Agência Câmara.




Mestrado em Recursos Hídricos deve fortalecer gestão em todo o país.

Edição Nº
Periodo: // a //

-
-
-

Rio+20: Senador critica falta de investimentos
A falta de saneamento básico – importante pilar do desenvolvimento sustentável – foi uma das principais críticas apontadas pelo senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB/SP) à política ambiental do governo brasileiro.

Essas declarações foram feitas na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), onde participou das plenárias do Segmento de Alto Nível, no Riocentro, como um dos integrantes oficiais da comitiva do Senado Federal.

“Como podemos ir à Rio+20 falar em desenvolvimento sustentável, quando deixamos de abordar essas questão tão importante?”

O parlamentar defende a discussão sobre a falta de saneamento básico, tema que o governo brasileiro está alheio a uma solução definitiva. Dados da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES) demonstram que a implantação de 1% na cobertura sanitária da população de 1 a 5 salários mínimos reduziria em 6,1% as mortes na infância.

Mesmo com estes índices, o governo investiu, no período 2007-2010, apenas 12% dos recursos disponíveis para o setor. Em 2011, a média dos gastos em saneamento e esgotamento sanitário foi da ordem de 16% do total de recursos disponíveis.

..............................................................................................................................................................................................

2011© Águaonline copyright. Todos os direitos reservados.
Editora: Jornalista Cecy Oliveira